O que fazer na Prainha Branca Guarujá SP

O que fazer na Prainha Branca Guarujá SP

Saiba o que fazer na Prainha Branca no Guarujá

Se você gosta do Nordeste e está em São Paulo, não precisa correr para Salvador ou Fortaleza. Sabendo o que fazer na Prainha Branca no Guarujá, você curte uma praia no litoral sul com clima de praia do norte.

O que fazer na Prainha Branca Guarujá - SP
O que fazer na Prainha Branca Guarujá – SP

O mar é bravo, mas limpo. A prainha não costuma ficar muito lotada mesmo quando é muito frequentada, é um ambiente com poucas barracas, areia branca, macia e acolhedora.

Para chegar na prainha somente existe uma trilha de acesso à pé, podendo a região ser acessada também por mar utilizando barco.

O que fazer em Prainha Branca no Guarujá / SP

A prainha é cercada pela floresta da Mata Atlântica muito bem conservada. Existe um riacho que deságua no mar, a região possui uma vila de caiçaras e um clima muito positivo.

A região é um dos últimos redutos de caiçaras originais, sendo a área pertencente a uma reserva ambiental da Serra do Guararu, no município do Guarujá, no estado de São Paulo.

Para quem gosta de praia tranquila, mar oceânico limpo e andar por trilhas, o lugar já indica as melhores atividades que o turista pode realizar no local.

Tranquilidade na Prainha Branca

Enquanto que as praias do Guarujá ficam cheias, a prainha branca fica sempre tranquila. O acesso para a prainha é feito através de um trecho de trilha bem sinalizada na divisa com Bertioga.

Essa região é a porta da entrada desse pequeno paraíso do litoral sul.

A vila de caiçaras tem cerca de 350 habitantes e ainda preserva costumes e tradições culturais. É possível encontrar pequenas casas em meio à natureza, as festas, o clima pé na areia e a simplicidade das pessoas.

A praia pertence ao município do Guarujá, mesmo ficando na na divisa com Bertioga, na saída da balsa.

O que a região da Prainha Branca oferece?

Antes de saber o que fazer na Prainha Branca do Guarujá / SP, além da tranquilidade, a prainha oferece um aspecto selvagem que poucas prainha apresentam nos dias atuais.

Depois que ficou conhecida, passou a ser mais explorada pelo turismo.

O local possibilita a instalação de campings por todos os lados, mas também há suítes para alugar, além de pequenas e baratas pousadas por todas as partes da região da divisa de Bertioga com Guarujá.

O que mais me chamou a atenção quando eu visitei a praia foi a presença de surfistas, de caiçaras e de pessoas com postura simples, além de jovens tatuados, o reggae nas barracas e o delicioso açaí.

Atualmente, em altas temporadas a praia fica um pouco mais freqüentada por casais, crianças e pessoas mais velhas. Atualmente, a praia está mais democrática, possibilitando o contato com vários tribos de comportamentos.

Quem não curte simplicidade pode dispensar a praia e ir viajar sozinho ou acompanhado para o interior, mas quem busca tranqüilidade e paz pode visitar a praia à vontade. 

Como chegar na Prainha Branca?

Para quem não tem barco para acessar a praia através do mar, o jeito é caminhar por uma trilha segura e sinalizada, o que exige o uso de sapatilhas, sandálias confortáveis ou tênis.

A infraestrutura na Prainha Branca

No local, as instalações na Prainha são simples, o que exige um certo improviso na ausência de bares e quiosques, pois repentinamente a cerveja pode ficar quente e a comida acabar antes do anoitecer. Mesmo nos quiosques locais, a comida pode demorar.

Por outro lado, é importante evitar jogar lixo na areia. Não existe barulho de carros, sinais ou hotéis por perto. Tudo é muito harmonioso.

Ambiente leve

É comum sempre ter algum equipamento de som tocando reggae ou música popular. Há muitos surfistas parafinados e lindas garotas caminhando pela areia.

Percebi a presença de lindas mulheres, pessoas com tatuagens, piercing e estilo meio hippie.

O lugar é muito familiar, as famílias que frequentam com as crianças escolhem  banho nas águas mornas do pequeno riacho do lado esquerdo, uma boa diversão para a criançada.

Quando a maré está baixa, é possível visitar a ilha que fica mais à frente de forma mais rápida e acessível.

Comércio local na Prainha Branca

Como dito acima, não há uma forte infraestrutura de serviços e comércio no local, mas existem boas barracas para frequentar.

Para comer, os freqüentadores gostam da barraca Larica’s que serve refeições completas. A barraca também oferece um delicioso açaí e sucos naturais.

Vários hippies vendem artesanatos no local com muito bom astral e criatividade. Entre os artesanatos encontramos miçangas, camisetas com estampas de tie dye e cangas indianas.

Nos períodos de feriados, por exemplo, há festas com reggae e forró, os estilos de músicas mais tocados na praia.

Ao saber o que fazer na prainha branca do Guarujá, a praia me lembrou a de Trindade, em Paraty, mas com menor extensão. A praia é pequena, mas acolhedora.

A Prainha possui apenas 1350 metros de extensão, apresenta ondas fortes do lado esquerdo e mar calmo do lado direito, por ser isolada parece uma ilha devido a sua localização.

Durante as festas, sentimos o cheiro de incenso que impregna no ar. Percebi também os Dreadlocks e mais Bob Marley tocando nas barracas e festas.

Praias da região

O que fazer na Prainha Branca Guarujá - SP - Praia Preta
O que fazer na Prainha Branca Guarujá – SP – Praia Preta

As trilhas da região também oferecem caminhos para outras praias como as praias Preta e a Praia de Camburizinho que são bastante desertas.

A praia Preta é pequena com apenas 300 metros de extensão e fica bem perto da Prainha Branca. A praia de Camburizinho é um pouco distante, mas a caminhada compensa.

Além de bonita, a praia de Camburizinho possui um lago logo atrás e, seguindo o rio pela trilha no meio da mata, você verá uma pequena cachoeira maravilhosa.

A praia do Camburizinho também é pequena com apenas 800 metros.

Para chegar nas três praias é necessário seguir pela uma trilha no final da Prainha Branca. O caminho para a Praia Preta dura uns 15 minutos. Se você continuar na mesma trilha por mais uma hora, você chegará na Praia de Camburizinho.

Em dias chuvosos, evite as trilhas, elas ficam escorregadias e com poças de lama.

Veja a seguir a lista de praias que ficam próximas da Prainha Branca:

• Praia Preta;

• Praia das Conchas;

• Praia de São Pedro;

• Praia do Camburi;

• Praia do Pinheiro;

• Praia Iporanga;

• Praia Indaiá (Bertioga);

• Praia da Enseada (Bertioga);

• Praia Vista Linda (Bertioga).

Uma outra dica bem legal, já que você está na praia é dar um pulinho em outras praias próximas, confira aqui quais são as Melhores Praias de SP.

A melhor época para visitar a Prainha Branca

O período de final de ano, verão e carnaval é o período no qual a região da Prainha Branca é mais procurada. Também é bem freqüentada em períodos de feriado prolongado.

Para quem busca curtir a tranqüilidade desses lugares citados acima, busque os períodos de transição ou de baixa procura.

A melhor época para visitar a praia é em meados de janeiro quando ela não está lotada, nem vazia.

Mais atividades na Prainha Branca

Dentre as opções do que fazer na Prainha Branca no Guarujá, existem muitos luais realizados à noite na areia.

A praia também é boa para nadar, mas é bom nadar somente próximo da ilha pois do outro lado a correnteza do mar é muito forte. 

Dica de acessos e atividades esportivas na Prainha Branca

Atualmente, para chegar na Prainha Branca, a trilha está toda com pedras e cimento, evitando contato com a terra e barro que a trilha antigamente oferecia.

Naqueles tempos, os frequentadores escorregavam com mochilas e roupas de praia.

A Prainha Branca não é muito indicada para práticas de esportes com bola por ser pequena, mas é ótima para a prática de surf.

É possível realizar bons passeios de escuna que cobram entre 25,00 a 30,00 reais por pessoa. Durante o passeio, eles dão uma pausa de 15 minutos para que possamos nadar em alto mar e disponibilizam colete salva vidas.

Para realizar as atividades na praia, algumas barracas aceitam cartões, mas em boa parte dos casos é bom levar dinheiro em espécie. O sinal das maquininhas de cartão não pega muito bem no local.

Outras dicas:

O que fazer na Prainha Branca Guarujá - SP - Trilhas
O que fazer na Prainha Branca Guarujá – SP – Trilhas

O acesso para chegar na Prainha Branca através da trilha pode demorar em média trinta minutos. A trilha é tranquila e bem sinalizada. Perto da entrada da trilha existe estacionamento.

Em caso de hospedagem, o visitante pode escolher entre campings e pousadas bem simples. Não mercados e nem farmácias na região das praias, sendo indicado levar itens de primeira necessidade na mochila.

É importante levar repelente contra os mosquitos por ser área de mata, e é bom já estar vacina contra a febre amarela para ter mais contato com o verde.

Quando for até a prainha branca, aproveite para conhecer a Praia Preta e Camburi.

Não é necessário utilizar guias turísticos para andar pela região, mas caso pense em passar o final de ano ou o carnaval na prainha faça reservas com antecedência.

Conclusão

Conhecer essa praia me propiciou uma grande experiência, fui em época de baixa temporada e pude curtir melhor a prainha Branca e conhecer a praia Preta.

Portanto, reúna os amigos ou a família, arrume a mochila com os itens mais necessários e procure essa linda praia que fica na divisa do Guarujá com Bertioga no litoral paulista. 

O que fazer na Avenida Paulista SP Roteiro Completo

O que fazer na Avenida Paulista SP Roteiro Completo

Roteiro Completo na Avenida Paulista

Uma cidade inteira não cabe numa única rua, mas no caso de São Paulo a Avenida Paulista representa o que há de melhor na cidade. A avenida é um dos principais cartões postais da cidade e sempre faz parte do roteiro de quem visita São Paulo.

Roteiro Completo o que fazer na avenida paulista SP
Roteiro Completo o que fazer na avenida paulista SP

A avenida tem cerca de 2,8 quilômetros e oferece um forte comércio local, galerias e pontos de entretenimento que agradam os moradores da cidade e os turistas.

A Avenida Paulista

Essa avenida foi projetada pelo engenheiro uruguaio Joaquim Eugênio de Lima. Inicialmente, ele pretendia instalar em sua extensão mansões dos barões de café que buscavam fugir da agitação do centro de São Paulo.

Porém, depois de sua inauguração em 8 de dezembro de 1891, terrenos projetados para as grandes casas, seriam, décadas depois, ocupados por projetos de sobrados e prédios.

Na cidade de São Paulo, ela foi a primeira rua a ser asfaltada. Depois da consolidação do comércio na primeira metade do século XX, o centro financeiro se faria presente na avenida a partir de 1952, quando a lei da cidade começou a permitir a instalação de edifícios institucionais e de oferta de serviços.

A partir dos anos 1950, os antigos casarões do final do século XIX começaram a desaparecer dando lugar para os arranhas céus.

A avenida deixou de ser predominantemente residencial e passou a ter o centro financeiro e institucional do país. 

Como se locomover na Paulista?

Recentemente, a Avenida Paulista ganhou uma ciclovia na faixa central, mas há várias maneiras de chegar na Paulista. Na sua extensão há três estações de linha verde, a estação Brigadeiro, Trianon-Masp e Consolação, a estação Paulista da linha amarela localizada na Rua Consolação está a poucos passos da Avenida Paulista.

Também é possível chegar de ônibus utilizando vários pontos que existem no decorrer da avenida. E a outra opção é através do carro, porém estacionar na Paulista ou nas ruas próximas não é barato.

Atualmente, é indicado chamar um táxi ou UBER para evitar os estacionamentos caros e o metrô cheio em horários de picos.

O que fazer na Paulista?

A avenida oferece diferentes atrações culturais e comerciais para a pessoa se distrair e curtir um pouco uma tarde ou noite. No final de semana em São Paulo na Avenida Paulista, a prefeitura costuma fechar a rua para a realização de atividades culturais.

A seguir apresentamos uma lista com as melhores atrações que a região oferece para o cidadão e para o turista.

1 – Visite o MASP

Para quem já assistiu a Corrida de São Silvestre já deve ter visto o moderno edifício com colunas vermelhas do MASP (Museu de Arte de São Paulo).

O projeto do edifício do museu é da arquiteta Lina Bo Bardi, o MASP é reconhecido como uns dos museus mais importantes do Brasil.

Atualmente, a instituição possui um acervo de  arte europeia do século XIX, além de obras de artistas brasileiros.

Avenida Paulista MASP
Avenida Paulista MASP

Recentemente, o MASP integrou os cavaletes de Lina Bo Bardi, e apresenta também o acervo permanente e as exposições temporárias na sua programação. A entrada no MASP é gratuita sempre às terças-feiras.

2 – Conheça o Centro Cultural Fiesp

Outra opção cultural é visitar o Centro Cultural Fiesp com três galerias para exposições, livraria, cafeteria, teatro e mezanino. A programação deste espaço cultural é gratuita.

O espaço oferece exposições e apresentações teatrais e a entrada é sempre gratuita.

3 – Casa das Rosas

Historicamente, a Casa das Rosas Casas Das Rosas é uns do últimos casarões da época do barões de café que ainda está de pé na Avenida Paulista. Nessa instituição encontramos o Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura.

Há a realização de exposições e atividades culturais. Acima há o terraço com o mural do Oscar Niemeyer do Eduardo Kobra. A entrada é gratuita.

4 – Itaú Cultural

Outro espaço cultural importante é o Itaú Cultural que oferece variada programação que inclui exposições, apresentações teatrais e musicais, encontros e oficinas.

O local ainda possui o acervo permanente no Espaço Olavo Setúbal com umas das maiores coleções de obras do Brasil Colonial e Império.

Na escadaria do Itaú Cultural temos gravuras da fauna e da flora brasileira. A entrada também é gratuita.

5 – Instituto Moreira Salles

O local possui sete andares, o Instituto Moreira Salles possui galerias, biblioteca, cineteatro, salas de aula, loja, livraria, café e restaurante.

O visitante sempre encontra boas exposições, exposições especiais de fotografia e oficinas. O seu terraço do instituto tem uma boa vista da Avenida Paulista para apreciar. A entrada é gratuita.

6 – Japan House

Para promover o Japão moderno para o Brasil e o mundo, inauguraram o Japan House. O espaço foca na arte, tecnologia, educação e gastronomia japonesa.

O espaço possui biblioteca, loja, restaurante e cafeterias. A entrada é gratuita.

7 – Instituto Cervantes de São Paulo

O instituto é referente a uma escola de espanhol e, ao mesmo tempo, possui um centro cultural que promove atividades culturais gratuitas, como exposições de arte e fotografia, apresentações musicais e exibições de cinema. A entrada é gratuita.

8 – Sesc Paulista

Outra atração cultural na Avenida Paulista é visitar o Sesc, o local é uma atração cultural imperdível para visitar, possui dezessete pavimentos com opções culturais, educacionais e gastronômicas.

No último andar de seu edifício há um mirante com vista panorâmica da Avenida. A entrada é gratuita.

9 – Parque Trianon

Esse parque é uma área verde importante existente no meio dos prédios da Paulista. Possui 48 metros quadrados, com árvores e diversas espécies de plantas, incluindo espécies da Mata Atlântica. Na entrada do parque se encontra o Monumento a Anhanguera.

10 – Parque Prefeito Mário Covas

Inaugurado em 2018, o Parque Prefeito Mário Covas abrigou a casa onde nasceu o paisagista Roberto Burle Marx, apesar de pequeno, são apenas 5 mil metros quadrados o parque  possui um boa estrutura com bicicletário, sanitário e central de informações turísticas, estrutura, com bicicletário, sanitário e central de informações turísticas para o visitante.

11 – Praça do Ciclista

A Praça do Ciclista é uma pequena praça localizada entre a Paulista e a rua Consolação. O nome é referente ao local de encontro de ciclista em São Paulo, a praça abriga o Monumento a Francisco de Miranda, precursor da independência dos países latino-americanos.

Já que você está no Centro de São Paulo próximos aos metrôs, aproveite e conheça o Beco do Batman.

E para quem gosta de teatros?

Na paulista é possível encontrar bons teatros com ótimas peças teatrais para assistir, anote a dica a seguir.

O Teatro Gazeta

Esse teatro é um dos principais teatros da Avenida Paulista, fica localizado no Prédio da TV Gazeta, próximo ao Metrô Trianon.

Teatro Sesi

Apresenta programação gratuita, compõe o complexo do Centro Cultural Fiesp. Lembramos que outros centros culturais com teatros são o Itaú Cultural e o Sesc Paulista, o Masp possui também um auditório.

E para quem gosta de ler?

Não faltam livrarias na Paulista, veja a dica a seguir para quem gosta de ler.

Livraria Fnac Brasil

A Fnac sempre possui uma filial na Avenida Paulista, próximo ao metrô Trianon, porém a loja passou por reformulações depois da venda da Fnac brasileira.

Livraria Martins Fontes

Uma das mais tradicionais da região, a Martins Fontes oferecer ótima seleção de livros, principalmente, para os de arte e fotografia. Ela está situada no Edifício Patrimônio.

Cinemas

Para quem ainda curte um cineminha, o visitante encontra a rede Cinemark no Shopping Pátio Paulista (Metrô Brigadeiro) e no Shopping Cidade São Paulo (Metrô Trianon).

Também encontramos o Bristol PlayArte no Shopping Center 3, como uma programação similar do Cinemark.

O visitante também encontrar o Caixa Belas Artes que mescla filmes alternativos, premiados e populares. Esse cinema é um dos mais tradicionais da Paulista.

Encontramos ainda o Reserva Cultural, um cinema que roda filmes de produções independente, nacionais e internacionais e recebe também filmes de festivais diversos. O Reserva está localizado no edifício da TV Gazeta.

Não poderíamos deixar de falar do Cinearte, com uma programação mais alternativa. Esse cinema está localizado no Conjunto Nacional próximo a Livraria Cultural.

Ainda na Rua Augusta, perto da Avenida Paulista, temos o CineSesc, que apresenta filmes independentes, clássicos restaurados, documentários, programação de mostra especial e filmes infantis.

Conclusão

Avenida Paulista - Shows Culturais
Avenida Paulista – Shows Culturais

Seja no seu contexto histórico ou moderno, vale a pena visitar a Avenida Paulista, conhecer os centros culturais, o comércio e as áreas de serviços.

A Paulista é muito movimentada, mesmo em dias de domingo, é possível caminhar livremente pela Avenida e presenciar a arte de artistas de rua ou até mesmo aproveitar para caminhar e relaxar.

Muitos jovens aproveitam o espaço aos domingos para namorar e andar de skate.

Além dos espaços culturais, há bons restaurantes no local oferecendo diversos tipos de pratos e perfis gastronômicos com preços acessíveis para diferentes públicos.

Uma dica bacana, antes de ir para Avenida Paulista você pode passar no Mercado Municipal de São Paulo e experimentar algumas frutas diferentes, além do famoso lanche de mortadela do Mercadão.

Visitar o local é bom para o visitante que viaja solitariamente ou em grupo para conhecer uma das avenidas mais importantes de todo o mundo.

O que fazer em Campos do Jordão

O que fazer em Campos do Jordão

Saber o que fazer em Campos do Jordão pode parecer uma missão impossível de responder

Pois uma viagem à cidade pode parecer algo um pouco monótono e sem grandes atrações.

Antigamente, as pessoas se lembravam da cidade como destino de inverno ou de férias de julho. Porém, nos últimos tempos o lugar ficou muito badalado e procurado durante o ano inteiro.

A cidade está localizada na região entre o Vale do Paraíba e a Serra da Mantiqueira e eu fiquei apaixonado pela região quando fui visitá-la.

Muitos paulistas e paulistanos adoram visitar a cidade, pois além de próxima e barata ela oferece boas atrações culturais, gastronômicas e regionais.

Mas… o que fazer em Campos do Jordão?

Além do friozinho do lugar, encontramos na cidade casas e edifícios com a arquitetura típica de países europeus e o apelo ao romantismo.

A viagem para esta cidade é muito indicada para casais. Porém, grupo de amigos e família também podem se beneficiar muito na cidade.

Conhecer a região é bom em qualquer época do ano, mas há a chamada alta temporada referente aos meses de inverno ou feriados prolongados com trânsito intenso e preços mais caros.

1 – Conheça o Horto Florestal

Para quem visita a cidade, uma boa dica é visitar o Horto Florestal do município. O local abriga árvores e plantas oriundas da Mata Atlântica e de outras regiões do Brasil.

O passeio é imperdível e proporciona contato positivo com a natureza.

2 – Escolha a época certa para viajar – o que fazer em campos do Jordão

Para curtir o centro comercial e gastronômico da cidade com calma e sem muito alvoroço, o turista pode evitar os meses de junho, julho, agosto e os feriados prolongados.

Nessas épocas, a cidade fica lotada de turistas, com poucas vagas em hotéis e com poucos espaços.

Os meses de abril, maio, setembro e outubro são meses em que o tempo costuma colaborar e a cidade está mais vazia.

Evite o período de novembro a fevereiro, pois costuma ser uma fase mais chuvosa e como as atrações da cidade são ao ar livre, acaba tornando muitos passeios inviáveis.

3- Visite os mirantes – o que fazer em campos do Jordão

Para ter uma boa visão panorâmica da cidade e realizar fotos, a dica é visitar os mirantes em Campos do Jordão, sempre confirmando os horários de funcionamento de acesso.

4 – Quantos dias ficar? – o que fazer em campos do Jordão

Antes de saber o que fazer em Campos do Jordão, é importante planejar bem a viagem. No mínimo, pense em ficar pelo menos três dias inteiros no município.

Caso fique de três a cinco dias você poderá dedicar um dia inteirinho ao Horto Florestal e suas diversas trilhas.

5 – Conheça a trilha da Pedra do Baú

Além de conhecer o Horto Florestal, o visitante pode visitar a Pedra do Baú que ajuda a descarregar o estresse a aprofundar ainda mais o contato com a natureza.

6 – Outros locais com natureza

Além do Horto Florestal, o visitante pode visitar o Jardim Amantikir e o Museu Felícia Leirner para aproveitar os parques e ambientes com muita natureza na região da cidade.

7 – Centrinho turístico – o que fazer em campos do Jordão

O visitante deve conhecer o centrinho turístico, conhecido como Capivari. Refere-se a uma casa de restaurantes e bares charmosinhos.

Lá o turista encontra o Restaurante e Choperia O Baden Baden.

8 – Passeio de trenzinho ou teleférico

Para conhecer bem a cidade ou os seus recantos, é importante fazer um passeio de trenzinho ou no teleférico que vai ao Morro do Elefante.

O Morro do Elefante é apenas um dos lugares onde você terá uma vista privilegiada. Quem estiver de carro, poderá incluir na viagem a Campos do Jordão o Pico do Itapeva e a Vista Chinesa.

9 – Faça boas compras

Para saber o que fazer em Campos do Jordão, a cidade oferece muitas lojas que ofertam roupas, sapatos e acessórios com estilo e preços acessíveis. Claro que a cidade pode ser cara em diferentes aspectos, mas caso o visitante chegue na cidade sem um bom casaco ele encontrará boas lojas para comprar.

10 – Faça caminhadas no centro da cidade

Para quem não está com vontade de fazer trilhas ou andar de teleférico, caminhar no centro da cidade permitirá conhecer a atmosfera de Campos do Jordão e participar de eventos culturais como shows e feiras que acontecem ao ar livre.

Como chegar em Campos do Jordão?

A cidade está localizada a 170 quilômetros de São Paulo, a empresa de ônibus Pássaro Marrom oferece seis saídas diárias do Terminal Tietê, sendo o primeiro horário às 6h e o último às 19h30.

Partindo de outro estado, a dica é chegar pelo Aeroporto de Guarulhos, e de lá seguir para São José dos Campos e em seguida Campos do Jordão. Há também a possibilidade de ir de ônibus, incluindo o da viação Pássaro Marrom.

A boa dica é utilizar carro próprio ou alugar um carro para ir viajar até a cidade.

Para quem sai do Rio de Janeiro, a dica é pegar um ônibus da Rodoviário Novo Rio para a cidade. Para ir a Campos a saída é às 8hs, e a volta ao Rio de Janeiro às 16h45. A duração da viagem é de seis horas.

Hospedagem

Mesmo sendo uma cidade pequena, ela possui boa rede hoteleira. Há duas opções para se hospedar, no bairro do Capivari ou distante dele.

No bairro do Capivari é possível ficar próximo ao agito sem precisar gastar uma fortuna, o Hotel Monte Carlo e o Hotel JB têm ótimo custo-benefício.

O visitante pode optar também pela Pousada Villa Capivary Campos do Jordão é uma das mais bem avaliadas por essas regiões.

Caso não consiga se hospedar no Capivari, a boa dica é procurar um bairro vizinho como a Vila Jaguaribe a cerca de dois quilômetros de Capivari e possui acomodações que realmente valem a pena.

Mais afastado encontramos o Hotel Satélite que apresenta um bom serviço de hospedagem.

Opções de onde ficar em Campos de Jordão não faltará, tem hospedagens para todos os tipos de viajantes.

Como se locomover na cidade?

Para quem tem carro próprio será mais fácil se deslocar pela cidade. Pois nem todas as atrações turísticas podem ser acessadas com o transporte público.

A não ser que a pessoa reserve uma boa verba para pagar táxis ou UBER na região.

A cidade oferece linhas de ônibus para o transporte público, permitindo chegar sem grandes problemas ao Horto Florestal (ônibus de hora em hora), Fábrica da Baden Baden (frequência ok), Capivari e Teleférico (frequência ok), Museu Felícia Leirner e Palácio Boa Vista (ônibus de hora em hora + caminhada de 10 minutos).

Porém, para visitar o Jardim Amantikir não há nenhuma rota de ônibus, tendo que ir de carro ou táxi. O Jardim oferece o tour de van que custa em torno de 50,00 reais e inclui a entrada do Amantikir.

O que comer?

Sabendo o que fazer em Campos do Jordão, na hora que bate aquela fome todo mundo corre para procurar bons restaurantes na região.

Além dos restaurantes caros, há restaurantes mais acessíveis no bairro do Capivari e no bairro Abernéssia. Um prato muito consumido na cidade é a truta grelhada acompanhada com arroz e legumes.

Conclusão

Para quem ainda não pode visitar os Alpes Suíços, visitar Campos do Jordão é uma boa dica para paulistanos e pessoas de outros estados.

A cidade oferece boas acomodações e hotéis próximos à região central da cidade, a boa dica é também procurar acomodações perto do centro e do bairro do Capivari.

Viajar com carro próprio ajudará a economizar com os gastos de táxi. Existem linhas de ônibus, mas que não alcançam todos os lugares turísticos da cidade.

A cidade é indicada para pessoas que curte programas culturais, viagens calmas em família ou em casal. Não é indicada para quem procurar por aventuras.

Para quem não se incomoda com o frio com cidade lotada, o período de junho a agosto é a fase do ano na qual a cidade é muito procurada por turistas.

Evite o período de novembro a fevereiro, por ser um período muito chuvoso que pode estragar as atividades ao ar livre.

Ao passear pelo município, aproveite para realizar fotos e imagens que marcarão a vida de todos.

A cidade sempre foi um destino tradicional de recém-casados e de viagens em família. Muitas pessoas gostam de manter casa de veraneio na região para descanso. Antigamente, a cidade era chamada de “A Suíça de São Paulo”.

Portanto, através deste artigo oferecemos um guia simples e resumido sobre as melhores coisas que podem ser feitas em Campos de Jordão.

Quando for conhecer a cidade, aproveite as trilhas, o Horto, o teleférico, a gastronomia e os espaços culturais da região.

10 coisas para se fazer em Paranapiacaba!

10 coisas para se fazer em Paranapiacaba!

Muitas vezes, eu não preciso viajar para muito longe para encontrar novidades e viagens antológicas. Em São Paulo, a partir da Estação da Luz podemos pegar o trem “Expresso Turístico” e ir para Paranapiacaba.

O trajeto de trem que eu fiz é um trajeto de 48 quilômetros que passa pela região do ABC e segue na direção da Serra do Mar ( sentido praias ), atravessando a antiga rota do café.

Conhecer a cidade é uma experiência maravilhosa, passear pelas suas ruas estreitas, fotografar casarios de madeira e presenciar a neblina que surge no final das tardes renova as nossas energias.

A cidade é histórica e é gerida como distrito do município de Santo André.

Gosto muito desse casal, deixaram muito bem explicado no vídeo =D

Vídeo indicação para esse casal do blog Me leva de leve

A história de Paranapiacaba

Em meados do século XIX, mais precisamente em 1867, trabalhadores e projetistas britânicos chegaram no Brasil para começar a obra da estrada ferroviária paulista.

Na presença de outros estrangeiros e brasileiros, se instalaram na região perto da rota que ligava a região de Jundiaí ao Porto de Santos.

Até os dias atuais, é possível ver construções daquela época, como o Castelo construído em estilo vitoriano levantado no alto da colina. 

Também podemos visitar o maquinário do relógio da Estação Alto da Serra e o Clube União Lyra Serrano cuja edificação foi construída pelos ingleses em meio à Mata Atlântica.

Na região do distrito, há áreas de floresta da Mata Atlântica com trilhas e a primeira reserva biológica da América Latina. Para quem procura história, tranqüilidade e passeio de alta qualidade, visitar o distrito de Santo André é uma ótima dica.

10 coisas maravilhosas para conhecer na região

A seguir eu apresento dez dicas de curiosidades e lugares que o turista deve conhecer para marcar na memória a sua visita na região.

1 – Expresso Turístico

A primeira coisa que chama a atenção é a possibilidade de viajar para a região de trem. Como descrito no início do artigo, a viagem pode ser feita sozinho ou com amigos e é através de uma locomotiva a diesel numa composição de dois carros.

O ambiente da estação e da locomotiva remete aos anos 1950. A viagem tem duração de uma hora e meia.

O trem sai da estação da Luz às 8h30 da Estação da Luz aos domingos. O valor da passagem pode custar no mínimo 50,00 reais por pessoa e podem ser agendadas no site www.cptm.sp.gov.br

O passeio de trem é muito procurado nos finais de semana e nas férias. Também existe a possibilidade de ir de carro ou de ônibus consultando na rodoviária os horários.

2 – A Estação Alto da Serra

Essa estação foi restaurada e é onde a viagem de trem termina para o desembarque.

A estação possui um relógio cujas badaladas são históricas. O relógio foi erguido em 1898, e reproduz o estilo do londrino Big Ben. Na estação temos o Museu do Sistema Funicular, onde podemos ver trens da São Paulo Railway Company e vagões que foram usados no período imperial para transportar D. Pedro II. 

3 – Presença da arquitetura inglesa

Ao passear em Paranapiacaba, eu pude perceber a presença da arquitetura inglesa de forma muito marcante. São casas feitas em pinho de riga, madeira nobre originária do Leste Europeu.

A Igreja Bom Jesus de Paranapiacaba foi erguida em 1889 e hoje é palco de missas e da Festa do Padroeiro, essa é a festa mais antiga da região de Santo André, no estado de São Paulo.

No distrito sentimentos uma atmosfera britânica, o que nos convida a andar a pé pela cidadezinha.

4- Museu do Castelo

No alto de uma colina temo o Museu do Castelo, um casarão de feições vitorianas. Ele foi construído em 1897, para servir de moradia para o engenheiro chefe da vila, Frederic Mens.

Do alto da colina, o engenheiro controlava todo o funcionamento da ferrovia e o trabalho dos operários no pátio de manobras.

Atualmente, o castelo possui móveis antigos, fotos, documentos e um pequeno acervo de equipamentos ferroviários.

5 – Clube União Lyra Serrano

No ano de 1903, construíram os dois principais clubes da região, o Serrano Futebol Clube e o Lyra da Serra.

O Serrano Futebol Clube foi fundado para futebol e o segundo, às artes e cultura da cidade.

Em 1906, os dois clubes geraram o Clube União Lyra Serrano, sede de óperas, exibições de filmes, bailes de máscaras e peças de teatro.

A  sede do clube foi construída em madeira e é um local de eventos culturais, incluindo o Festival de Inverno e a Feira Literária.

Quando o Serrano ainda existia, é possível verificar os troféus e prêmios na época conquistados pelo Serrano Atlético Clube, time formado por trabalhadores ingleses e brasileiros que trabalhavam na ferrovia.

6 – O roteiro cultural de Paranapiacaba

No meio de tantas casas históricas, há um intenso roteiro cultural. Temos o Antigo Mercado construído no ano de 1897 para abrigar um empório de secos e molhados da região, e por algumas décadas funcionou como lanchonete.

Ficou anos fechado, mas depois de uma boa restauração pude presenciar um maravilhoso centro cultural que recebe exposições temporárias e atrações do Festival de Inverno.

No roteiro cultural encontramos a Casa Fox com uma construção caracterizada do século XIX, o local também recebe exposições e eventos.

7 – Artesanato

No momento de escolher lembrancinhas, eu encontrei um artesanato de alto nível. Na vila cultural encontramos os seguintes ateliês:

– Ateliê Residência Som da Árvore

Situado na avenida Antonio Olyntho, 480, encontramos miniaturas em madeira das casas características  da região e do relógio da estação.

–  Ateliê Residência Francisca

Situado na Rua da Estação, 393. Encontramos exposição e venda de bonecos feitos com matérias-primas simples como sementes, cordas e couro da região.

– loja do artista Kiko de Oliveira

Essa loja fica na Avenida Forde, 421. Além de loja de artesanato funciona como cafeteria. Vende quadros feitos em madeira.

8 – Festival do Cambuci

Sabemos que o Cambuci é um fruto típico da Mata Atlântica, apresenta sabor azedo. A fruta também concede seu nome a um dos festivais mais importantes de Paranapiacaba.

O festival é realizado nos fins de semana do mês de abril. O festival é cultural e gastronômico e abrange a oferta de galinha caipira, costela suína, tapioca e pudim, tudo preparado com o fruto Cambuci.

O festival é realizado anualmente e é um bom convite para conhecer os sabores da cidade, o suco de Cambuci e os atrativos culturais.

9 – Festival de Inverno

No meio do inverno, mesmo com névoa e chuvas acontece um dos principais festivais da cidade.

O evento atrai mais de 100 mil turistas ao ano. O festival apresenta atrações musicais, pinturas, esculturas e demais intervenções artísticas e literárias.

O Festival de Inverno transforma a cidade num museu ao céu aberto. Geralmente, o evento acontece no mês de julho.

10 – Trilhas e caminhadas em florestas

O turista pode também realizar caminhada em seis trilhas no Parque Natural Municipal Nascentes de Paranapiacaba.

Para quem não está acostumado, a trilha mais fácil é a Trilha da Pontinha pela qual eu caminhei possuindo um quilômetro de extensão, seu percurso dura cerca de uma hora.

A trilha mais difícil é a Trilha do Mirante com 1 885 metros em uma estrada íngreme de pedra.

O carnaval da cidade

Se você não gosta de frio, pode visitar a região no verão e curtir o carnaval no mês de fevereiro.

Em Paranapiacaba, é possível presenciar a tradição dos antigos blocos de rua e dos bailes de máscaras durante os quatro dias de carnaval e pura folia.

Durante os quatro dias de folia temos o famoso Bloco de Rua Paranafolia, esse bloco é formado por moradores da vila e a Banda Caxambú. A Banda Lira foi fundada em 1918.

Conclusão

A viagem pode ser feita individualmente, em dupla, com amigos ou família. Caso o viajante não queira ir de trem ele pode ir de carro através da via Anchieta no sentido Riacho Grande, acessando a rodovia Índio Tibiriçá até o quilômetro quarenta e cinco.

Também é possível ir de ônibus na linha 40 da viação Ribeirão Pires no Terminal Rodoviário de Santo André.

Para ir de trem é possível pegar o Expresso Turístico Paranapiacaba, aos domingos. Ele parte da estação da Luz às 8h30. A venda da passagem é feita no guichê do metrô, próximo a saída para a Pinacoteca e Museu da Língua Portuguesa.

Portanto, é uma viagem acessível e de baixo custo que oferece bons momentos para o visitante que pretende conhecer novas experiências culturais e descansar numa cidade tranquila com muitos atrativos.

A região propicia também contato com a natureza, com o verde com áreas originais da Mata Atlântica, que pode ser acessada por caminhada e trilhas orientadas.

A hospedagem pode ser feita no Booking ou Airbnb na região e também oferecem preços acessíveis, somente em épocas de eventos e festival a procura e os preços aumentam.

A região fica próxima de São Paulo e para quem sai de outros estados do país ou de outros países, é possível chegar rapidamente na região e presenciar toda a atmosfera da arquitetura inglesa na região que marca a viagem de todos os viajantes. 

Uma boa pedida depois que voltar para São Paulo é ir ao Beco do Batman, lá é muito mas muito bom também!

Já que é para dar dicas irei soltar mais uma para você, aproveite e conheça o mercado Municipal de São Paulo ( famoso Mercadão ).

Bom é isso, fique com Deus e forte abraço!

O que fazer no mercado municipal São Paulo SP

O que fazer no mercado municipal São Paulo SP

Muitas pessoas perguntam o que fazer no mercado municipal de São Paulo, eu já estive no local e pude saborear os melhores produtos da região além de conhecer uma arquitetura singular.

O lugar apresenta uma profunda diversidade cultural, gastronômica e comercial. O mercadão foi inaugurado em 1933, e se tornou nas últimas décadas num dos espaços mais clássicos e históricos da cidade.

Como chegar no Mercadão SP

A melhor dica de como chegar ao mercadão é usando o transporte público.

Ele está próximo de duas estações da linha 1 Azul: São Bento e Luz. Lembrando que a Luz está ligada ao trem e também à linha amarela.

Conhecendo o mercado municipal de São Paulo

Por que visitar o mercadão de São Paulo
Por que visitar o mercadão de São Paulo

Um lugar de tradição e de surpresas gastronômicas. Essa primeira frase pode resumir parte da importância do mercadão de SP na capital paulista.

Além da comida e das iguarias, o mercado oferece um passeio bom para quem procura realizar compras, comer no local e conhecer um lugar histórico da cidade.

Popularmente conhecido como mercadão, é reconhecido como um dos principais pontos turísticos de São Paulo, com a capacidade de encher os olhos, as redes sociais e o estômago.

O lugar sempre oferece sabores conhecidos e desconhecidos, pois sempre há algo novo para provar. A seguir apresentamos os principais quesitos e atrações do mercadão.

1 – História e arte

O edifício do mercado municipal de São Paulo é considerado um dos lugares mais bonitos de São Paulo. Ele foi inaugurado no dia 25 de janeiro de 1933.

A construção foi feita por Ramos de Azevedo, também criador do projeto dos edifícios do Teatro Municipal, Palácio das Indústrias, Pinacoteca, os Correios, entre outros.

O prédio do mercadão de SP foi construído com colunas em estilo grego, jônico e dórico, com telhas em vidros, incluindo clarabóias e os lindos vitrais.

A construção possui 32 painéis, subdivididos em 72 vitrais, do artista russo Conrado Sorgenicht Filho.

2 – Comer, comer e comer… Hummm!

O lugar possui centenas de barracas que vende quase todos os tipos de alimentos in natura, cozidos e pré-cozidos.

O visitante pode escolher entre sucos, doces, salgados e alimentos em geral para comer no local ou levar para casa para o preparo doméstico.

O visitante encontra frutas exóticas, sucos, temperos, legumes,  frios, queijos e azeitonas importadas, vinhos e outras bebidas. Além de carnes, peixes e cereais.

3 – Os sanduíches

Uma boa dica são os sanduíches do mercado, destaque para o de mortadela ou de carne. Outros visitantes preferem o sanduíche de queijo na chapa.

4 – Pastel de bacalhau

Outra dica é o pastel de bacalhau que o turista e o visitante não encontra igual em outro lugar. O pastel é uniforme e possui um gosto equilibrado, pois no resultado final ele não fica muito salgado.

O pastel de bacalhau, assim como os sanduíches, é considerado um prato típico da cidade de São Paulo.

No mercadão de SP existem muitas barracas que vendem esses salgados típicos que você não encontrará em qualquer esquina.      

5 – Compras

O mercado municipal de São Paulo é muito frequentado pelos chef de cozinha que buscam bons ingredientes para novas receitas. Os restaurantes procuram bons fornecedores para manter seus cardápios em dia.

Mas, pessoas comuns também procuram o mercado para buscar qualidade e preço justo.

5 – Fotos

O passeio pode ser feito solitariamente, a dois ou em família. O bom é que o lugar é intenso e propicia bons momentos para tirar fotos aproveitando a arquitetura, o ambiente e os outros detalhes para enriquecer as fotos.

As fotos ficam incríveis com fotos feitas para impressionar os amigos.

6 – Números impressionantes

O mercadão possui números que impressionam os pesquisadores e os visitantes. O local do prédio ocupa um espaço de 12.600 metros quadrados de área, abriga mais de 1.500 funcionários e movimenta mais de 400 toneladas de alimentos por dia.

O mercado possui mais de 300 boxes (estandes) num mega espaço que permite caminhar, visitar vendedores e conhecer diferentes tipos de produtos e alimentos.

Outros alimentos

Além dos sanduíches e dos pastéis vamos destacar a seguir mais dicas de alimentos que não podem faltar no passeio ao mercado municipal de São Paulo.

Para quem quer ganhar alguns quilinhos ou prefere escolher frutas e legumes para equilibrar a alimentação, a dica é selecionar bem cada setor do mercadão de São Paulo, buscar preços justos e boa qualidade.

O mercadão é uma imensa feira que oferece quase tudo com qualidade e preço, ótimo lugar para realizar compras, comer, tomar alguma bebida.

Já falamos do sanduíche de mortadela que é conhecido como um salgado histórico do lugar, sendo oferecido em quase todas as lanchonetes do mercadão, incluindo o Bar do Mané, o Hocca Bar e o Famiglia Rivitti.

1 – Bolinho de bacalhau

Além do pastel de bacalhau, temos o bolinho de bacalhau que pode ser acompanhado pelos sanduíches, com um guaraná ou sucos naturais.

O melhor bolinho de bacalhau experimentei no Hocca Bar, com uma textura única no salgado.

Bolinho de Bacalhau do Mercado municipal de SP
Bolinho de Bacalhau do Mercado municipal de SP

2 – Pastel de mortadela com catupiry

Além dos bolinhos, o visitante pode provar o pastel de mortadela com catupiry e considerar esse alimento como um dos favoritos.

É uma comida imbatível para quem gosta de beber uma coca-cola ou cerveja, e não são todos os boxes do mercadão que servem esse salgado.

3 – Doces

No mercado podemos encontrar muitas ofertas de doces. A boa dica são os doces da Massas Nancy, não se trata de uma doceria, pois o estabelecimento oferece várias massas italianas e inclui em seu cardápio sobremesas de alto nível.

4 – Frutas

O mercado é repleto de frutas nacionais e estrangeiras, são frutas frescas, cristalizadas, secas, desidratadas, frias e na temperatura ambiente.

No lugar podemos encontrar tâmaras, morango, maçã estrangeira, uvas, bananas, kiwi, entre outras.

5 – Comida japonesa

A comida japonesa é um caso à parte, e falo isso de forma positiva. Para quem gosta de comida japonesa, o mercado municipal de São Paulo oferece boas opções.

A lojinha Empório Bamboo oferece produtos orientais em geral, como por exemplo o furikake pra gente comer com o gohan.

Encontramos ainda o boxe Japa Loko, um ótimo restaurante de comida japonesa no mezanino do mercadão.

6 – Peixes e frutos do mar

Para que gosta de comida sadia e rica em proteínas, temos a comida oriunda do mar. São peixes e frutos do mar que a gente encontra no Mercado Municipal.

Só um adendo, sabemos que não temos apenas isso para fazer em São Paulo, temos praias, interior de SP ( viajei sozinho para Socorro muito bom ) e muito mais coisas, mas continue lendo, esse passeio é sensacional.

Encontramos tudo fresco como peixes, lulas, camarões, mariscos, caranguejos, polvos entre outros.

7 – Queijos

Existem boas alternativas de queijos tradicionais, nacionais e importados no mercado.

Existem queijos salgados, sem sal e neutros indicados para qualquer situação de lanches e pratos.

8 – Bebidas alcoólicas

O visitante pode encontrar vários tipos de vinhos e cervejas no mercado de São Paulo. Os boxes também oferecem cervejas artesanais e importantes. Também encontramos estabelecimentos especializados que apresentam  produtos bem interessantes.

9 – Sanduíche de pernil

Uma outra dica de alimento e lanche é o sanduíche de pernil. É possível provar o sanduíche na loja Mortadela Brasil, que fica no mezanino.

Esse sanduíche é um dos pontos fortes do mercado. Lembra os sanduíches servidos nas saídas dos estádios. É uma boa dica para as pessoas que adoram pernil.

10 – Degustação

Algumas lojas costumam oferecer amostras para degustação de seus produtos de comida e bebida.

São degustações de presuntos, salames, mortadelas, queijos, amendoins, patês, pães, molhos, frutas e até de doces.

11 – Queijos importados – Mercado municipal SP

Encontrei no mercadão de São Paulo queijos importados com bons preços se comparado com lojas importadoras de outros lugares. A loja Roni é especialista em queijos nacionais e importados.

Com um valor a partir de 20,00 reais é possível encontrar boas peças de queijos para levar para casa e fazer aquele lanche caprichado.

Encontramos o queijo grana padano italiano, um queijo mais duro mas com uma cremosidade e um final de boca, esse custa entre 70,00 e 80,00 reais.

12 – Patês – Mercado municipal SP

É possível encontrar patês nacionais e importados para incrementar no lanche e no sanduíche de casa. Levar esses produtos para casa é uma boa dica pois no mercadão de São Paulo achamos boas ofertas.

Encontramos o patê de sardela e a abobrinha com peperoni, ideais para uma bruschetta ou um pão árabe torrado.

13 – Pães – Mercado municipal SP

Isso sim é bom demais, encontramos marcas conhecidas e caseiras de pães no mercado. Há pães árabes, orientais, pão francês, e pães industrializados conforme a escolha e necessidade do cliente.

Há também uma boa linha de pães doces e amanteigados encontrados em boxes de famílias portuguesas que mantêm a tradição de panificadoras de família. 

Por que visitar o mercadão de São Paulo?

Os melhores motivos foram apresentados acima, além das demais opções de alimentos que podem ser encontrados no mercadão.

Uma grande dica, se você estiver vindo de outra região e não sabe onde ficar hospedado, de uma olhadinha no Booking o Airbnb.

Passear pelo lugar numa manhã de sábado pode ser um bom programa até para casais de namorados que estão cansados da balada de sexta-feira e procuram boas alternativas para a primeira refeição do dia.

É considerado um dos passeios mais leves para os moradores do estado e turistas em São Paulo. Não apenas este passeio mas tem outros como o Beco do Batman.

Para quem possui um bar ou restaurante na região encontra no mercado municipal SP bons fornecedores de queijos, patês, frutos secos, frios, massas, peixes, frutas, temperos e azeites, entre tantos outros tipos de alimentos.

É comum os feirantes oferecerem degustação para tentar atrair a freguesia oferecendo frutas e outras iguarias para provar.

É importante também pechinchar para saber beliscar, almoçar, fazer as compras da maneira certa.

Quando você tiver tempo e claro quiser tirar fotografias lindas, tem o passeio do evento no Campo de Marte em SP.

Uma dica de ouro para quem quer viajar para outro estado é ir para Balneário Camboriú. O Lugar é LINDO!

Espero ter ajudado, um forte abraço fique com Deus!


Conheça Litoral e as melhores Praias de SP

Conheça Litoral e as melhores Praias de SP

Melhores Praias de SP

Opá, opá viajante, tudo bem? Borá viajar e conhecer as melhores praias de São Paulo?

São Paulo é um dos estados mais conhecidos do nosso país, seja no mundo dos negócios ou no mundo do turismo. Pensando nisso, separamos as Melhores Praias de SP para você saber onde passar o próximo verão.

Praia de Maresias – São Sebastião

Esta é uma praia bem voltada para o público jovem, e um dos fatores para isso são as ondas fortes que formam o ambiente perfeito para esportes como o surf.

Além disso, a região é repleta de bares e clubes de festa que animam a vida noturna desse pedaço do litoral de São Paulo.

Porém, se você prefere um ambiente mais calmo para relaxar e tirar umas férias em família, o norte da Praia é o lugar ideal para você.

Praia da Laje – Ilha do Cardoso

Está é uma das praias mais bonitas de SP, já que fica em uma área protegida no Parque Estadual da Ilha do Cardoso.

A região apresenta uma reserva de Mata Atlântica preservada e a praia só pode ser alcançada com uma trilha de 10km.

Então essa é uma das melhores praias de SP para quem curte uma aventura e adoro se conectar com a natureza e suas belezas.

Além disso, a praia fica afastada da civilização, sem construções, apenas a natureza em perfeito equilíbrio. Nessa região você ainda pode se deparar com algumas espécies de animais em perigo de extinção, como o papagaio-de-cara-roxa e o bugio.

Camburi – São Sebastião

Outra praia jovem, a Camburi é pequena, com apenas 1 km de extensão, mas as ondas na região são fortes, o que atrai surfistas e jovens em geral.

Além disso, a vida noturna das proximidades é bem agitada, sendo centro de vários barzinhos e pubs para você se divertir com os seus amigos.

Outro diferencial da Camburi é a paisagem paradisíaca dela, com água bem azulada e areia branca, parece uma cena tirada de filme, vale a pena conferir.

Castelhanos – Ilhabela

Castelhanos é uma das melhores praias de SP para quem gosta de natureza e descanso, já que o difícil acesso a torna quase deserta, o que é ótimo para quem quer aproveitar a paisagem e relaxar.

Para chegar até essa praia é necessário percorrer uma estrada de 22kms de terra, o que pode ser difícil em um carro que não seja 4×4.

Para os aventureiros de plantão é uma opção maravilhosa, já que mesmo com grande parte do mar sendo calmo e cristalino, é possível encontrar pontos para surfar e várias trilhas emocionantes.

Uma das trilhas leva a Cachoeira do Gato, uma das maiores ilhas da região, chegando à 80 metros de altura.

Praia do Sangava – Guarujá

Melhores Praias de Sp - Praia Branca
Essa foto não foi eu quem tirou – Direitos ao autor

Essa é uma das Praias de São Paulo menos conhecidas, o que é ótimo para quem curte ficar sozinho em um ambiente calmo. ( Eu já fui e garanto que lugar maravilhoso! )

Ainda irei acampar nela!

Ela fica praticamente escondida, é uma prainha de apenas 90 metros de areia envolta em vegetações e grandes pedras, com um mar bem calmo e até uma piscina natural em épocas de mare alta.

Além disso, essa que é uma das melhores praias de SP possui uma atração especial, uma caverna subterrânea com várias formações de corais e uma grande variedade de peixes, perfeito para os mergulhadores que estão procurando uma aventura.

Para chegar até o local existem duas opções, caminhar na trilha de uma hora e meia ou pegar carona em uma barca na Ponte dos Práticos.

Praia das Calhetas – São Sebastião

Essa é outra das Praias em São Paulo que parecem cena de filmes. Este local paradisíaco fica perto da rodovia 144, podendo ser acessada atravessando um condomínio fechado.

A praia é rodeada de vegetações nativas e coqueiros, e se localiza em uma pequena península, que com a maré alta fica repleta de piscinas naturais lindíssimas.

Esta praia é maravilhosa para quem gosta de relaxar em um cenário extraordinário, com o mar calmo e as águas cristalinas também é um ótimo destino para os mergulhadores.

Além disso, você não precisa fazer nenhuma trilha difícil para chegar na Praia das Calhetas e ainda pode aproveitar a cidade que fica a 20 minutos de caminhada, com vários restaurantes e hotéis.

Praia do Cedro – Ubatuba

Entre as melhores praias de SP, a Praia do Cedro não podia ficar de fora, é uma praia preservada e quase secreta, já que a trilha de 40 minutos dificulta a chegada para o local.

Mas a recompensa da caminhada é alta, você desfruta de um lugar belíssimo, com águas límpidas com um tom de azul esverdeado e muita diversidade de animais marinhos.

Inclusive, em algumas épocas do ano você pode encontrar tartarugas, golfinhos e até baleias na região.

Itamambuca – Ubatuba

Melhores Praias de Sp - Itamambuca
Essa foto não foi eu quem tirou – Direitos ao autor

Está é outra praia paulista famosa por suas condições de surf, sendo palco de competições nacionais e internacionais, é um verdadeiro paraíso para o esporte.

Como o surf é muito famoso nessa praia, o público jovem vai em peso para lá, isso fomenta a criação de barraquinhas de bebidas e petiscos, e todo um comércio para os mais jovens.

Porém também existem as praias que estão em condomínios fechados na região, que são perfeitas para aproveitar com a família e ficar longe das agitações e festas do público de surf.

Além disso, a proximidade com a Mata Atlântica proporciona várias trilhas com acesso a cachoeiras belíssimas, tornando essa praia um ótimo destino tanto para os aventureiros, como para os jovens e até para as famílias.

Praia Brava da Almada – Ubatuba

O litoral de São Paulo é repleto de belezas naturais, várias praias contam apenas com o mar, a areia e a vegetação a sua volta, sem nenhum prédio ou barraquinha.

A Praia Brava da Almada é um desses exemplos, uma das melhores praias de SP é conhecida por ser um pedaço da natureza praticamente intocado pelos humanos.

Para chegar até essa praia é preciso ir até a Praia do Engenho e percorrer uma trilha até chegar à praia deserta com um riacho.

O mar é agitado nessa região, porém o riacho possui águas um pouco mais quentes e facilita o mergulho para os visitantes.

Praia de Barra do Una – São Sebastião

Outra praia da Mata Atlântica, esta opção se destaca pela união entre o mar e o Rio Una, além de sua grande extensão e pouco movimento.

Outro diferencial dessa praia são as ondas, que são boas para quem quer se divertir no mar, mesmo não sendo muito grandes.

Além disso, a região é famosa pelo ecoturismo, possibilitando várias trilhas que saem da Praia de Barra do Una, além de visitas a locais como a Ilha dos Gatos e o Montão de Trigo.

O acesso até a praia é realizado por uma estrada, um carro mais baixo pode encontrar um pouco de dificuldade, mas a estrada é boa.

No local ainda existe uma boa infraestrutura, oferecendo várias opções de restaurantes, lanchonetes e hotéis. É um ótimo lugar para passar as férias de verão relaxando.

Praia do Bonete – Ilhabela

A Praia do Bonete é tópico essencial na lista das melhores praias de SP, principalmente pela sua importância histórica.

A praia já foi lar de vários sambaquis e hoje mantém um ambiente rústico, o que torna o cenário ainda mais paradisíaco, com sua areia branca e águas cristalinas.

Você pode acessar a praia por meio de barcos ou se aventurar em uma trilha fantástica, são 15 km de caminhada entre cachoeiras, lagos cristalinos e todo o esplendor da natureza no Parque Estadual de Ilhabela.

Além disso, a Praia do Bonete possui várias opções de hotéis, restaurantes e pousadas. Passe uma temporada nessa Praia Litoral norte de SP curtindo a união entre a natureza e a história da própria humanidade.

Prainha Branca – Guarujá

Este é outro pedacinho de paraíso achado no litoral paulista, a Prainha Branca só é acessível por barcos ou uma caminhada de 3km, mas o resultado vale a pena.

A praia é bem paradisíaca, com águas cristalinas, areia bem branca e rodeada pela mata. Além disso a cultura do povo local é bem característica, tornando-se um show à parte.

A comunidade caiçara e suas tradições ajudam essa prainha a conquistar um espaço entre as melhores praias de SP, ainda mais com as atrações como luaus e campings.

Praia Toque Toque Pequeno – São Sebastião

Está praia e sua irmã, Toque Toque Grande, são muito semelhantes, ambas repletas com belezas naturais.

Um destaque da Toque Toque Pequeno é a comunidade de pescadores que vivem ali, comercializando os peixes marinhos para os habitantes e turistas.

A cultura dos nativos e pescadores é um fator importante, tornando essa praia ainda mais atrativa, já que você pode curtir um belo cenário natural e ainda descobrir mais sobre o modo de vida dos pescadores da região.

Picinguaba – Ubatuba

Essa praia do litoral norte paulista se destaca por dois fatores, um são os vários pontos de mergulho que atraem profissionais e amadores todos os anos.

O outro ponto é a composição de ilhas do local, como as Ilhas Compridas, Carapuça e Couves.

Está é uma das melhores praias de SP, com águas límpidas e tranquilas, é perfeito para relaxar em um fim de tarde aproveitando o pôr do sol no horizonte do mar.

Bertioga

Bertioga tem três regiões definidas que são boas para se hospedar: Centro, Praia de Indaiá e Riviera São Lourenço.

  • Ficar no centro de Bertioga é ideal para quem gosta de estar no movimento e sair à noite, pelos bares, restaurantes, e sorveterias.
  • A praia de Indaiá fica a 10 km do centro e oferece também várias opções para se hospedar. É um lugar mais tranquilo, com menos agito, com águas calmas e
  • Já a Riviera de São Lourenço é um enorme complexo de condomínios, construídos com planejamento, tudo bem organizado. É a área de mais alto padrão de Bertioga.

Praia de Itanhaem

Como cidade de praia, Itanhaém oferece variadas opções de hospedagem, desde hotéis e pousadas à casa de aluguel de temporada.

Oferta de hotéis e pousadas na cidade Praias de Itanhaém Itanhaém possui duas grandes praias retas, uma ao sul e outra ao norte do município, e algumas mais pequenas, próximas ao Rio Itanhaém, com litoral recortado e costões.

Lugar muito gostoso de ir, venho desde de criança e minha namorada mora aqui desde penqueninha também!

Gosto muito pois por ser pequena tem mtas coisas para se fazer!

Conheça Litoral e as melhores Praias de SP – São Paulo
Conheça Litoral e as melhores Praias de SP – São Paulo
Conheça Litoral e as melhores Praias de SP – São Paulo
Conheça Litoral e as melhores Praias de SP – São Paulo

O que fazer nas Praias em São Paulo

O que fazer nas Praias em São Paulo

Descobrimos várias opções de praias fantásticas, cada uma com algum diferencial que a torna única, e é claro, existem muito mais praias no litoral do estado que você deve conhecer.

Porém, agora vamos dar algumas dicas do que fazer nessas praias para tornar as suas férias ainda mais inesquecíveis.

Conecte-se com a natureza

Um detalhe bem característico das praias paulistas é a grande presença natural, ainda mais nos pontos com a Mata Atlântica.

Aproveite essa oportunidade para se conectar com a natureza, visite as cachoeiras, fotografe os animais exóticos da região, sinta o mar se comunicando com os céus.

Mergulhe

Assim como a mata faz os arredores das praias se tornarem destinos únicos, os corais e toda a biodiversidade marinha faz o fundo do mar paulista uma ótima opção para os mergulhadores.

As melhores praias de SP possuem pontos próprios para o mergulho, com cavernas subterrâneas e muita beleza natural “escondida”.

Se você gosta de mergulhar, não perca a chance e divirta-se explorando o mundo marítimo.

Participe dos eventos da comunidade

Muitas praias do litoral de SP possuem comunidades bem culturais, com eventos muito interessantes que você pode aproveitar para conhecer nas férias.

Um exemplo disso são os luaus e festas que ocorrem em algumas épocas do ano.

Faça trilhas

Outra opção que é quase obrigatória na maioria das praias de SP são as trilhas.

A Mata Atlântica e as diversas quedas d’água nas regiões litorâneas produzem cenários maravilhosos, que ajudam a compor o paraíso que são as praias do estado.

Você não pode perder a oportunidade de se aventurar em quilômetros de trilhas no meio da mata e em escaladas nos morros e cascatas.

Pratique esportes

O litoral paulista fica dividido entre mar forte e calmo, você pode aproveitar as melhores praias de SP para praticar esportes, como o surf.

Além disso existem várias opções para você se divertir e desfrutar do litoral paulista, basta escolher os esportes de praia que você mais curte e procurar as melhores praias para isso.

Tire fotos

Visitando a nossa lista de melhores praias paulistas você vai se deparar com muitas belezas, animais em perigo de extinção, cenários paradisíacos, águas cristalinas e até baleias.

Não deixe isso passar em branco, vá preparado para fotografar tudo e registrar esses momentos tão especiais em sua vida.

A fotografia ajuda a tornar as suas férias inesquecíveis, e tem muita coisa nas praias de São Paulo que merecem ser lembradas para sempre.

Conheça mais dicas de viagem para o próximo verão

Está começando a se preparar para as próximas férias e não sabe para onde ir? Já mostramos as melhores praias de SP, mas se ainda não se decidiu, continue acompanhando nossos conteúdos e descubra ainda mais lugares especiais.

Se você for para o centro de São Paulo uma parte mais urbana, pode conhecer o Beco do Batman, Campo de Marte, Mercado Municipal de SP ou para o interior em Socorro.

Ou se quiser ir para outra região do Brasil pode ir para Balneário Camboriú usando o Airbnb.

Além disso, baixe o nosso ebook e aprenda a tirar fotos melhores e com mais qualidade, facilitando para você tirar fotos excepcionais durante as férias.



Pin It on Pinterest